terça-feira, abril 04, 2006

Zonal Sul de Infantis

Decorreu no passado fim-de-semana na Piscina Municipal de Leiria e com organização da ANDLeiria o Torneio Zonal de Infantis Zona Sul em piscina curta com atletas da ANLisboa, ANSul, ANMadeira, ANARAçores, ANDSantarém, ANDLeiria, ANDPortalegre, ANAlgarve.

Esta competição de infantis é composta por atletas masculinos nascidos em 1992 (INF A) e em 1993 (INF B) e por atletas femininos nascidos em 1993 (INF A) e em 1994 (INF B). (Ver resultados)

A competição foi dominada pela equipa da Sociedade Filarmónica União Artística Piedense (SFUAP) que obteve 34 medalhas (13x1º; 13x2º e 8x3º). Seguidamente ficaram o Sporting Clube de Portugal (SCP) com 25 medalhas e o Sport Lisboa e Benfica (SLB) com 18 medalhas. (Tabela de medalhas)

Nas provas individuais o destaque masculino o vai por completo para Diogo Parrilha Da Silva (CNAL INF B) com 4 títulos nas provas de 100B, 200B, 200E e 400E. De realçar ainda Francisco Fezas Vital (ABVE INF A) e Vítor Gonçalo Castanheiro (CDN INF A) ambos com 3 vitórias individuais.

Do lado feminino os destaques foram Inês Catarina Agostinho (SCP INF B) e Sara Francisco Cruz (ASAL INF A) ambas com 4 vitórias. A primeira venceu os 100C, 200C, 200E e 200L e a segunda os 100L, 200L, 100M e 200M. De realçar ainda Marta Alexandra Saraiva (SFUAP INF A) quem venceu por 3 vezes.

No próximo fim-de-semana decorre em Felgueiras o Torneio Zonal de Infantis Zona Norte com organização da ANNortePortugal com atletas da ANNortePortugal, ANNordeste, ANAveiro, ANMinho e ANCoimbra. (Ver Start List)

Etiquetas:

72 Comments:

Anonymous Anónimo said...

As duas maiores referências da natação portuguesa CNA e SAD quantas medalhas?

terça-feira, abril 04, 2006 3:42:00 da tarde  
Anonymous contazulejos said...

e será que as medalhas nos infantis são uma referência?..

terça-feira, abril 04, 2006 4:34:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

para os especialistas em keimar putos claro k sim

terça-feira, abril 04, 2006 5:05:00 da tarde  
Anonymous Pedro Diogo Oliveira said...

esse "especialistas em keimar putos" foi mt bom! eheh

terça-feira, abril 04, 2006 8:04:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

especialistas em queimar putos = sfuap!só pa q todos saibam!lol

terça-feira, abril 04, 2006 9:18:00 da tarde  
Anonymous Xico quintal said...

Ahah :D

terça-feira, abril 04, 2006 9:28:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

eu estou magoado... e indignado... com as vindimas!!

terça-feira, abril 04, 2006 10:00:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

atento, a ordem de classificação por medalhas não é pelo numero total mas sim pela em primeiro lugar as de ouro depois as de prata e no final as de bronze, provavelmente o CNAL é o terceiro classificado???

quarta-feira, abril 05, 2006 12:06:00 da manhã  
Anonymous warnecke said...

Já agora parabéns aos 3 medalhados (e aos outros) da ANDS que tiveram mt bem...Mais uma vez são os mais novos que dão o exemplo nesta associação!

quarta-feira, abril 05, 2006 10:16:00 da manhã  
Anonymous Kriz said...

e isso não será motivo para os treinadores e dirigentes dessa associação reflectirem??(tal como os de Leiria....)

quarta-feira, abril 05, 2006 10:29:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

como assim?

quarta-feira, abril 05, 2006 10:36:00 da manhã  
Anonymous Kriz said...

o facto de serem constantemente os mais novos a obterem resultados. Sobretudo quando esses mesmos nadadores duram normalmente até junior(no máximo.....)!

quarta-feira, abril 05, 2006 10:38:00 da manhã  
Anonymous warnecke said...

Pode ser uma generalização perigosa, atribuir as culpas aos treinadores e dirigentes. Muitas vezes são os próprios atletas que, por várias razões, acabam por ir colocando a natação num plano cada vez mais secundário e quando existem 3/4 bons nadadores infantis (como é o caso dessas duas associações) é dificil que esses mesmos 3/4 nadadores cheguem a seniores e obtenham resultados semelhantes...

quarta-feira, abril 05, 2006 10:59:00 da manhã  
Anonymous kriz said...

TAlvez seja, mas certamente que pôr miudos infantis a fazerem musculação e treinar bidiário, nao vai ajudar a que tenham uma progressão coerente até séniores....

quarta-feira, abril 05, 2006 12:11:00 da tarde  
Anonymous kriz said...

de qq forma, não estou a dizer que todos so clubes dessas associaçoes o façam, ou que este método lhes seja exclusivo, mas provavelmente deviam parar para pensar se este "sucesso a curto prazo" é a forma mais indicada para construir nadadores ou apenas para iludir autarquias ( e atletas)...

quarta-feira, abril 05, 2006 12:17:00 da tarde  
Anonymous warnecke said...

Isso levanta outra questão que é a decisão de poder ganhar agora ou preservar o atleta para eventualmente ganhar no futuro...Não sei se os atletas que referi treinam bi-diários ou fazem musculação mas se te dessem a escolher entre poderes ser campeão aos 13 anos ou seres um nadador com hipóteses de chegar a um pódio nacional aos 20 (já que muito dificilmente se pode projectar para um atleta sénior o que se pode projectar para um nadador infantil...) o que escolhias? Isto admitindo que as duas situações são incompativeis, o que eu ñ acho...

quarta-feira, abril 05, 2006 2:46:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Warnecke:

Agora tá melhor. Dizer q a culpa é dos atletas e q os treinadores não têm nada a ver c os "estoiros" que se vêm por aí é no mínimo uma apreciação ridícula.

quarta-feira, abril 05, 2006 5:08:00 da tarde  
Anonymous warnecke said...

Eu não disse isso...Certamente que muitos dos nadadores que estiveram em evidência nestes zonais, estarão a competir ao mais alto nível daqui a uns anos. O que disse foi que não se pode generalizar e pôr as culpas todas nos técnicos porque por vezes são os próprios nadadores que perdem o interesse...Há um pouco dos dois factores.
Ou também achas que nos exemplos citados (ANDS e ANDL) não há um único bom treinador capaz de fazer um bom nadador de infantil a sénior?

quarta-feira, abril 05, 2006 11:14:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

olha o benfica surpreendeu-me...3º clube com mais medalhas..é um clube que nc aparece com muitos podios...sim senhora boa formação. vamos ver o futuro e alcobaça tb a ter uma boa formação

quarta-feira, abril 05, 2006 11:18:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Olha q olhando p os atletas seniores da ANDL e ANDS....fica difícil encontrar alguém q tenha sido um nadador de destaque nos escalões de formação e tenha chegado a sénior com um progressão minimamente regular.

O Pedro Oliveira por certo chegará, mas não conta (ainda) pq por enquanto é junior.

Mas de resto...queres tu sugerir algum nome? È que não me ocorre nenhum!

Conheço mtos nomes das situações inversas, de diversos clubes das 2 associações, e garanto-te q nenhuma delas foi falta de interesse ou de dedicação dos atletas em questão. Logo...

quinta-feira, abril 06, 2006 12:31:00 da manhã  
Anonymous warnecke said...

hmm...sei por experiência própria (também saberás com certeza)que dificilmente não se perde o interesse quando se nada sozinho como acaba por ser o caso dos nadadores que têm ambições maiores que a sua equipa por isso tenho uma certa relutância em relação à tua garantia mas continuo na minha que ñ se deve generalizar a todos os treinadores...vamos esperar que este pessoal mais novo com talento ñ se perca...

quinta-feira, abril 06, 2006 1:52:00 da manhã  
Anonymous Kriz said...

como em tudo não se devem fazer generalizações: há concerteza casos de nadadores "queimados conscientemente" pelos treinadores , queimados insconscientemente ( incompetencia e mania de imitar métodos sem atitude critica), nadadores que se desmotivam, nadadores que são bons nos escaloes mais baixos apenas porque tem a maturacao mais cedo, etc, são n factores. A questão que levanto aqui tems apenas a ver com os 2 primeiros, porque na minha optica, existir um nadador neste caso, já é demais....
Porque é muito fácil por um miudo de 12 anos minimamente talentoso a andar, basta dar-lhe cargas intensas, muitos metros e esperar que ele renda a curto prazo, muito mais dificil é programar a longo prazo a carreira de um nadador, apontando para o tal podio nacional(não acho incompativel com o destaque nos escalões de formacão,tudo tem a ver com o que esta por tras)ou p voos mais altos!
De qualquer maneira, espero que cm tu dizes estes miudos se mantenham e que tenham sucesso, a natação portuguesa está a precisar!!

quinta-feira, abril 06, 2006 8:25:00 da manhã  
Anonymous Pedro Costa (SCE) said...

Bebaagua , vais fazer a cobertura aos zonais do norte??

Abraços

quinta-feira, abril 06, 2006 11:36:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

ola Pedro Costa!!!força este fim de semana....claro para os teus colegas tambem....

força SCA...são só dois atletas que este clube leva,mas vai correr tudo bem....

Bebaagua estou como o Pedro,vais fazer a cobertura dos zonais do norte?ok sei k vais ter muito trabalho este fim de semana.

parabens Bebaagua, por toda a prestação que tens no blog.claro só posso falar por aqui...é o k conheço...

Graça Vilarinho

quinta-feira, abril 06, 2006 11:54:00 da manhã  
Blogger Beba Água said...

Claro k haverá report desses Zonais! Os atletas e as equipas presentes merecem isso mesmo! Já k não há destaque dessa competição em mais lado nenhum, aqui no Beba Água terão o merecido espaço.

Pedro, Boa Sorte e ganha umas qtas provas
Graça, Thanks

quinta-feira, abril 06, 2006 12:17:00 da tarde  
Anonymous Pedro Costa said...

Obrigado Bebaagua e Graça :P
Vou fazer por ganhar, afinal tenho 5 melhores tempos d inscriçao..agora e trabalhar e respeitar os adversarios!!

assim aparecem os resultados

Parabens pelo blog ;P

quinta-feira, abril 06, 2006 4:15:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Caros Warnecke e Kris, velhos conhecidos q topei logo à distância (e que prometo não "denunciar"):

Tenho de concordar que há de tudo um pouco.

Miúdos a perder a motivação ou a deixar de dar o litro devido à dureza intrínseca da modalidade não me choca. É um processo de selecção natural, td a gente sabe q isto n é pra todos (há mesmo quem diga q só pra malucos ou meios-malucos).

Agora assassinar desportivamente crianças, como vejo por aí amiúde, faz-me mta confusão. Na pista ao lado da minha (onde treino), há casos inéditos a nível mundial, como um juvenil de topo (2º ano) que não consegue repetir o q fazia em infantil na sua prova principal (aí era super-topo).

Casos destes não tem explicação absolutamente nenhuma.

Mas percebo a vossa perspectiva, pq por acaso estão ambos a iniciar a carreira de técnicos, mas são simultaneamente ainda atletas (ops, já estou a dar mtas pistas...).

Decerto, estarão cá pra ver nos próximos tempos, como eu, onde vão parar algumas destas bombas. Há algumas até q p além do mesmo clube e do mesmo técnico, partilham os genes. Vamos a ver se o resultado final do percurso será outro.

sexta-feira, abril 07, 2006 3:09:00 da manhã  
Anonymous contazulejos said...

Ainda sobre os infantis da ANDS…
Parte dos miúdos que aparecem em infantis não são fruto de uma aposta consciente em queimar etapas e puxar demasiado por eles, mas sim porque nestas etapas um pouco de talento e/ou maturação precoce resolve tudo. Este facto não se deve a um planeamento de carreira consciente, mas sim a uma gritante incapacidade que impossibilita inclusive que se “queimem” putos…
Claro que este comment é bem forte, reconheço e hesitei em publica-lo, até porque existem no nosso distrito bons técnicos que desenvolvem um trabalho muito válido, mas a eles não preciso de me justificar, porque pensam com eu.

sexta-feira, abril 07, 2006 10:20:00 da manhã  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Contazulejos:

E eu q esperava um dia ver-te Presidente da ANDS....com este coment deitaste a perder toda a tua popularidade no Distrito! :)

Concorrer c o Carlos Gonçalves pras eleições daqui a 35 anos será agora bem + difícil.

sexta-feira, abril 07, 2006 12:15:00 da tarde  
Anonymous warnecke said...

Duarte, duvido mesmo mt que me conheças (nem pessoalmente nem de outras formas...) e não, não estou a iniciar carreira como treinador (é mesmo coisa que ñ está nos meus horizontes para já...) por isso penso que deves estar a fazer confusão eheh
O caso que referiste é de facto um extremo, um nadador que bate quarenta e tal records nacionais em infantis e ñ consegue bater nenhum em juvenis. Em Portugal só conheço outro caso assim...
Mas voltando ao início da discussão...na ANDS quantos nadadores foram ao pódio de um nacional/zonal em infantis? No máximo uns 10. Neste momento em jun/sen vai um...É claro que dos outros 9 há-de haver um ou outro "queimado" mas penso que a maioria deles teve um decréscimo de rendimento devido à falta de interesse o que é legítimo já que estes nadadores têm durante uma época inteira duas provas onde têm adversários à sua altura...no resto do ano vão fazendo provas que já sabem à partida que vão ganhar...de facto não há muito interesse nisso...
Já o caso da ANDL é diferente, competição não falta nesses escalões!

sexta-feira, abril 07, 2006 1:30:00 da tarde  
Anonymous contazulejos said...

A falta de competitividade realmente não ajuda nada, é verdade mas não explica tudo.
Olha q devem tersido + de 10...

sexta-feira, abril 07, 2006 2:56:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

medalhas para infantis para aqui e para ali...! Para já n deveríamos ter acesso a essa contagem, pois ja devem andar muitos treinadores de 'peito cheio' que fizeram um grande trabalho 'medalhando putos' e eu bem sei que já há uma boa quantidade a fazer bi-diários! assim é que é! Mais volume de treino, mais sessões e já agora para os que já os metem a fazer 'ferro' dêm-lhes uns comprimidinhos para ajudar! Afinal, tudo vale para levarmos umas medalhinhas para o nosso clube de Infantis! E proponham ás várias associações uma medalhinhas para o regional de verão de cadetes!

segunda-feira, abril 10, 2006 12:47:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

B.A.:

Tenho que reconhecer q concordo parcialmente com esta opinião.

É um excelente trabalho estatístico, mas acho que na prática só serve pra potenciar o instinto "assassino" de alguns treinadores.

É q há gajos q vivem destas glórias de competições de criancinhas, e fazem tudo o q for preciso pra brilhar lá.

Na pista ao lado da minha tenho lá um bom exemplo.

segunda-feira, abril 10, 2006 5:35:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

tenho que confessar que me mete alguma (para não dizer muita...) impressão falar-se quando um miúdo anda mais que os normais em que esse miúdo está a ser queimado. ainda para mais provavelmente sem se quer se ter atendido à qualidade técnica do nadador em causa... é o mais fácil para um treinador de infantis ou para ospapás justificarem o andamento de um miúdo melhor que os demais dizendo que o miúdo treina muito. será que ninguém acredita no treino de quallidade? eu acredito!
vou dar um exemplo: lembro me que o actual recordista nacional absoluto dos 400 livres e nadador olímpico luís monteiro, em infantil de 1º ano fazia 4:28... acredito piamente que o treinador do clube de natação "nós não queimamos ninguém" tenha dito para os seus miúdos depois de o lúis ter feito 4:28 "deixa lá o importante não é ganhares agora é quando fores senior, ele tá a ser queimado....". ha!e já agora, para todos os senhores que vêm pirómano em todo o treinador que comece a fazer um trabalho de destaque, expliquem-me o caso do melhor nadador português de todos os tempos (na minha opinião!!!), o grande Rui Borges, que bateu recordes nacionais de infantil até senior... que grande extintor que os treinadores dele deveriam ter...
saudações desportivas para todos

segunda-feira, abril 10, 2006 11:30:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Lá está, foi buscar as excepções...o Rui, o Monteiro, como poderia ter ido bsucar a Ana Alegria (1.07.9 a mariposa em infantil em P50) ou a Raquel Felgueiras, pra citar 2 exemplos.

A questão não é ser um bomba em infantil. A questão é o q está por detrás disso.

Se for talento e predestinação, a qualidade mantém-se até + tarde, pq existe sempre margem de progressão e o percurso tá a ser normal, evolutivo, sem queimar etapas.

O problema é quando esse nível é atingido de forma forçada (como é o caso da grande maioria dos nadadores de grande destaque nessas idades). Aí não há talento nem margem de progressão que os salve.

terça-feira, abril 11, 2006 12:49:00 da manhã  
Anonymous contazulejos said...

Concordo plenamente com o que disse o Mendonça e mais, não nos podemos esquecer que também existem muidos que são bons nos escalões de infantis e juvenis e depois perdem destaque sem qq culpa dos técnicos, apenas ritmos de desenvolvimento diferente dos restantes muidos e conseguem obter resultados mais cedo...

terça-feira, abril 11, 2006 10:37:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

mas então deviamos primeiro saber como é o treino nos clubes onde aparecem estes miúdos bonbas e só depois dar-mos as nossas opiniões sobre os treinos desses miúdos...
digo eu... não sei...
saudações desportivas

terça-feira, abril 11, 2006 4:18:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

viva a sfuap!!!

quarta-feira, abril 12, 2006 12:16:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Pois é, dizia no outro dia o meu amigo e q por acaso tb já tem uns anos disto. Linguagem p meninos já q dão certos exemplos de ex-atletas de excessão: '' isto é como esticar um elástico, vai esticando, esticando até q ou aguenta ou na maioria dos casos q temos em Portugal acaba mesmo por partir!''. E depois encontram as justificações p o insucesso nas camadas superiores como a entrada na Universidade e a incompatibilidade c os estudos! Acho q sim, e mais um acrescento, já existem clubes grandes da zona sul c grandes camadas jovens onde já existem conflitos internos entre técnicos(por perderem os atletas ao longo dos anos e a continuação dos resultados obtidos), pois uns acusam os seus colegas das camadas inferiores por 'puxarem' muito por eles e estes ripostam dizendo q a culpa é mesmo dos responsáveis das equipas de Juvenis e Absolutos q n os conseguem motivar. E agora pergunto eu à pessoa das exepções: de quem será a culpa?! falta de talentos??
ps- queria salientar q esse mesmo clube tinha mais de 40 atletas no regional de infantis e a maior parte deles medalhados! VIVA AS MEDALHAS!!!!!

quarta-feira, abril 12, 2006 1:16:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

não posso deixar de ficar preocupado por me tratares por menino... uma pessoa agora nunca sabe... e ainda por cima estamos a falar de infantis... não admira que tenhas a visão catastrófica das coisas e que espressas no teu post... os clubes que dás como exemplo são um paradigma de organização, coordenação e cooperação entre escalões... uns acusam os outros de esticarem demais?! será que esses clubes intimos teus nunca ouviram falar em plano de carreira? caso não saibam terei todo o gosto em explicar... ha! e para o teu amigo doutorado em dinâmica dos elásticos, gostava de lhe perguntar quanto muito é que é demasiado? é que dou-te toda a razão quando afirmas que alguns nadadores foram puxados em demasia, que eu prefiro chamar estimulados, sem sombra de dúvida, e agora eu pergunto, quantos é que tb não se perderam por não terem sido devidamente estimulados nas idadades e períodos correctos? ha e já agora gostava de perguntar, a quem tão convictamente defende as criancinhas, qual a idade ideal para o desenvolvimento e devida estimulação do potencial fisológico do individuo? não caro poster! não é em juvenil, por muito que isso te possa chocar! se tiveres dúvidas podes começar a ler alguma coisa sobre desporto em idades pediátricas, acho que te faria bem! mas se toda a tua preocupação emana da ideia preconcebida de que uma criancinha em infantil não pode acumular demasiado lactato correndo o risco de explodir, desintegrar-se ou algo mais, sossega caro colega deste blog, não lhes vai acontecer nada disso... não estou com este post a legitimar todo o treino intenso sem lógica alguma, não obdecendo a principios de progressão correcta das cargas de treino ou da intensidade, o que defendo é que o treino a intensidades elevadas é fundamental no escalão de infantis, não concordo que nestas idades o treino deva ser unica e exclusivamente aeróbio e técnico...

quarta-feira, abril 12, 2006 2:15:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Ui, temos cromo! Um Doutor (o que e muito diferente de um Dr.). Começo a gostar desta sequência. Nunca mais tinha vindo cá abaixo ler as novidades.

Como gostei da abordagem, sobretudo do último post do anónimo (Abril 12, 2006 2:15 PM), vou entrar na discussão (se for pra manter válida e séria, pra abandalhar fico por aqui) - já sei qual vai ser a crítica, não sou treinador, tá beeeeem..!

1º É fácil indicar meia dúzia de clubes, perfeitamente identificados por toda a gente, em q nos últimos anos têm rebentado atletas uns atrás dos outros (aqueles em q apostam, há alguns sobreviventes q por nunca terem sido apostas nem lhes terem ligado nenhuma, nem terem cumprido os planos, conseguem safar-se mais tarde). Isso não pode ser culpa dos atletas, mas sim do método. Não tenho problema nenhum em apontar alguns deles. Aqui vão:

a) CDN (começo por um da minha terra). Exemplos agoniantes. O Tomás Freitas é só o mais recente.

b) CNAL - ver Fábio e seguir c atenção o percurso de vedetas que aí vêm a despontar...

c) Geração feminina recente do CFB - ver o q sobrou de um dos grupos que mais prometia

E por aqui abaixo continuávamos...

Pode ser presunção minha, mas eu qd vejo nos resultados um jovem talento a dar nas vistas, a 1ª coisa q faço é olhar p as iniciais do Clube. Ou não conheço o trabalho e dou o benefício da dúvida (exº SC Espinho neste momento), ou conheço e tiro logo as minhas conclusões sobre o potencial futuro do atleta, q raramente falham mais tarde.

Continuo no exemplo do clube da minha terra, pra não ferir mais ninguém.

Os putos talentosos aparecem logo a bombar no 1º ano de infantil. As provas em q brilham são sp as mesmas: 400 estilos, 200 mariposa, 1500, 400 livres. Nadam sp melhor os 200 do q os 100 de qq técnica. Se forem nadar 50 metros, fazem igual à passagem p os 100. Tecnicamente são todos uma lástima. Não há um onde se veja talento puro, técnica, explosão ou deslize. Nadam todos em cima da frequência, nenhum na distância por ciclo. Quanto mais metro tem a prova, mais os putos crescem. Quanto mais provas consecutivas competem num dia, melhor nadam. Os últimos 25 batem c tanta força na água q a piscina fica quase vazia. Se lhes dessem ainda mais metros, mais eles bombavam. "Que pena q a prova já acabou, agora é q tava mesmo a aquecer" - é o sentimento comum no final.

Ora isto é tudo metodológico, da orientação que têm, pq eles não são todos filhos da mesma mãe mas sofrem todos do mesmo mal. Muito metro em cima (agora c a agravante de ser td o santo dia em P50), muito treino intervalado (aliás, intervalado na intensidade mas muito pouco intervalado, pq o objectivo é ir reduzindo constantemente tempos de saída), assim num Aeróbio 2, que passa para 3 q c a redução de intervalo começa a roçar um VO2.
Tamos a falar de 12/13 anos, e pode ser tb. feito a mariposa, qd é uma das melhores técnicas (qause sempre é). Um assassínio completo.

E existem exemplos de atletas de topo (q chegaram a resultados absolutos) cujo desaparecimento se deu em circunstâncias dramáticas de erros metodológicos óbvios. Só para dar um nome: Ana Francisco. Alguém tem dúvidas acerca deste exemplo.

2 - Adorei a do "amigo doutorado em dinâmica dos elásticos". Ri-me à brava. Mas discordo da não-explosão por falta de estimulação. Qd o potencial existe, ele está sempre lá dentro, mantém-se, está guardado, latente, nos genes. Mesmo q a estimulação venha c 5 ou 10 anos de atraso, vai lá estar e vai-se masnifestar (Ok, pode já não ser no momento considerado ideal p 1 carreira internacional, mas dá pra mostrar serviço). Veja-se o exemplo do Pedro Silva e tirem-se as devidas conclusões (já sei q vão dizer: pois, mas isso é 50 metros, e 50 metros não conta).

3 - "Idade ideal": tal varia naturalmente de indivíduo p indivíduo. Eu não definiria pela idade. Diria logo imediatamente após o salto pubertário, Na idade em q o dão, atacar. Nunca antes, pq carga em cima só atrasa e atrapalha esse salto.

4 - "o que defendo é que o treino a intensidades elevadas é fundamental no escalão de infantis, não concordo que nestas idades o treino deva ser unica e exclusivamente aeróbio e técnico"

Digo eu: Maioritariamente aeróbio e técnico, + velocidade (aláctica), intensidades elevadas pode-se meter qq coisa mas por favor em distâncias e séries curtas! Deixem o musculuzinho do puto 1º crescer e ter substracto antes de meter ácido a circular!

Termino.

Que venha o massacre das críticas:)

quinta-feira, abril 13, 2006 2:33:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Pedindo dscp por tal ofensa, pergunto-lhe a si, leu no meu post alguma palavra relacionada c exclusividade de certos esforços?! para mim demasia é realizar certas tarefas com certos estímulos exagerados ou volumes exagerados nas sessões de treino antes dos mesmos jovens atingiram a puberdade. Espero que você n seja nenhum dos belos que já teve grandes promessas em juvenis e juniores e depois... pufff! o q apenas quiz dizer é q simplesmente fico fascinado como se pode perder tanto atleta precocemente, ou atletas com prestações óptimas em infantis, juvenis e juniores (e, e...) e nem sequer chegam a realizar marcas parecidas ao q fizeram anteriormente! pq eu, sou um simples treinador de cadetes e infantis, e tudo o q lhe posso dizer é que pelo menos admito q terei uma longa caminhada ainda por percorrer, mas q espero que a vª exª n seja nenhuma velha raposa q se esquece q ás vezes todas essas rígidas regras q tanto respeita no processo de treino, n sejam determinadas c a possibilidade de haver jovens que realizam mais de que uma actividade diária, e que tenho esse método em consideração no meu método de trabalho! e NÃO, o meu método de trabalho n É EXCLUSIVAMENTE AERÓBIO E TÉCNICO!
ps- apenas lhe posso dizer q o amigo que você denominou por Dr secalhar poderia ensinar-lhe algo no desporto jovem! mas de certeza que essa tal pessoa n quer q eu a meta ao 'barulho'!!
E sr Duarte, n critique tb pois vc secalhar o conhece bem e n é essa a impressão q tem dele!

quinta-feira, abril 13, 2006 1:49:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

tá desculpado! velho penso que não sou e raposa... eu nem gosto de galinha... mas adiante! quanto a aprender, ou melhor a ser ensinado, nunca me considerei nem me considero possuidor do conhecimento absoluto, e acredito tal como o poster ainda ter algo a aprender... a sua "demasia" e o seu "exagerado" continuam a ser para mim termos bastante ambiguos, e subjectivos, pq o são de facto!! daí que as cargas de treino, respeitando a progressão da carga ao longo da carreira do nadador, deva também comtemplar as características específicas do nadador... quanto ao seu estranho fascinio com o facto de se perderem tantos nadadores no percurso até sénior, poderia enumerar-lhe algumas razões, mas entre outras, tais como a saturação, impossibilidade de consiliação da vida desportiva com a vida escolar e social, apresentaria-lhe uma outra que gera discórdia entre nós... falta de estimulação apropriada, no devido tempo...Ha! já agora e atendendo ás minhas convicções fico feliz por os seus miúdos não fazerem só aeróbio e técnico... :)
mas antes de falar-mos da estimulação fisiológica das criancinhas, escassa ou execssiva(fica ao critério do leitor), gostaria de pegar nas palavras do mendonça "Nadam sp melhor os 200 do q os 100 de qq técnica. Se forem nadar 50 metros, fazem igual à passagem p os 100. Tecnicamente são todos uma lástima" penso que é aquique reside a grande questão, o problema não é o tempo que fazem em infantil ou juvenil, o problema é como o fazem, vou dar um exemplo, nos nacionais de infantis do ano passado em coimbra, um infantil de 1º ano fez 2:22 aos 200M sem se quer fazer batimento de pernas, e um outro que fez 57 aos 100 L, e que por acaso bateu o record nacional daquela idade, a nadar melhor que alguns seniores... será que o treinador do miúdo dos 57 deveria meter as mãos à cabeça e pensar "e agora?! se ele está a andar em infantil, em sénior não vai valer nada...". penso que não tem razões para isso... se á um rabalho coordenado entre escalões, e se é respeitado um principio de progressão das cragas de treino ao longo da carreira do nadador, se esse nadador, técnicamente é bom... não percebo qual possa ser o problema! penso que por casos, que eu admito, terem sido "fogo de vista" por vezes caímos na tentação de ostracizar os míúdos que fazem grandes tempos em infantis, bem como todo o trabalho que está por detrás desses tempos. Ha! já agora se quiserem saber quem são os miúdos de quem falei consultem os resultados dessa prova para perceberem de quem estou a falar, e de como dou razão algumas coisas que o mendoça disse.
há! e os naddores que referi anteriormente, e que apelidou de "excepções" com certeza se lembra da forma como nadava o Luís desde infantil, e acrdite que ele não fazia só aeróbio e técnico, e pelos vistos não foi só promessa em inf, juv e jun... se é que me faço entender :)
saudações desportivas

sexta-feira, abril 14, 2006 12:35:00 da manhã  
Anonymous kriz said...

Demasiado e exagerado, são concerteza epitetos vagos, no entanto parece-me que se compararmos os valores de volume das intensidades mais altas realizados pelos escalões de formação de determinados clubes com o que está descrito em "n" planos de carreira de autores conceituados vamos encontrar diferenças gritantes. Muitas vezes os treinos destes escaloes transformam-se em miniaturas( as vezes até pouco mini)dos treinos dos absolutos, quando toda a gente sabe (ou pelos menos quem tem formação) deveria saber que existem periodos criticos para desenvolver as capacidades fisicas dos atletas, sendo que o periodo critico capacidade láctica não está, decerto nos 12-13 anos..........
Concordo que não se deve colocar os miudos em redomas de vidro e que devem ser sujeitos a estimulos variados, incluindo portanto, intensidades altas, a grande problemática reside nas quantidades que são aplicadas...

Gostava tambem de deixar a temática do treino de força em jovens? o que será q se pensa por ai?....

sexta-feira, abril 14, 2006 12:58:00 da manhã  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Bem, começo a ficar curioso c estas 2 personagens...

2.23 a mariposa (e não 22) foi o Vítor Castanheiro.

58 (e não 57) o Vital.

Eu lembro-me vagamente de ver o Monteiro nadar em infantil, 2 ou 3 vezes, era na altura treinado pelo Sardinha, creio.

E nunca duvidei do potencial dele, ao contrário de outros q vi no FCP sensivelmt na mesma altura. Tecnicamente sp foi mto bom, desde miúdo. A cabeça era meia instável (em termos competitivos), mas foi-se corrigindo ao longo do seu percursos (ainda q n totalmente, quem n se lembra do fazer grandes e péssimas provas na mesma competição?)

sexta-feira, abril 14, 2006 1:08:00 da manhã  
Anonymous orgulhosamente anónimo said...

desculpa a imprecisão... :)
exactamente!!!!!!!!! técnicamente muito bom, e a bombar desde miúdo. e para que não venha já alguém dizer "lá está! as excessões" podemos ver o caso do vital, que tb pode ser um desses casos! continuo a defender que não é problema nenhum um miúdo fazer um tempo fantástico em infantil de 1º ano, é perciso é ver como é que ele faz esse tempo!
às vezes fico com a sensação que certas pessoas querem introduzir radares e limites de velocidade nas provas de infantis...
há! e para complementar a ideia do Duarte Mendonça, da mesma altura do Luís era uma fulana chamada keissy sousa... que bateu recordes nacionais aos 100 e 200 C... Lembram-se como é que ela nadava, ali o treino não pecou por escasso nem por excesso... foi até onde técnicamente foi possível ir...
qt à cabeça do monteiro... enfim... é outra coisa que nunca nos podemos esquecer... o treino até pode ser o mais adequado para um nadador, mas se esse nadador não funcionar a nível psicológico, dificulta um pouco o trabalho... e pouco há a fazer...
caro poster Kriz... quanto ao desenvolvimento da capacidade láctica sugiru-te a consulta de um artigo que saíu em 2001 (que não te consigo agora indicar a referência) sobre a capacidade que as crianças possuem na produção e consequente remoção de lactato, é no mínimo surpreente, para as tuas convicções relativamente á impossibilidade de desenvolvimento do metabolismo glicolítico aos 12 e 13 anos, eu tb fiquei surpreendido...
qt ao trabalho de força, e tendo sempre presente o principio de progressão, e que o desenvolvimento da força terá um período optimo de desenvolvimento mais tardio que os aqui falados, não vejo qualquer impedimento, sobretudo numa prespectiva de desenvolvimento futuro desta capacidade e mais importante que tudo no sentido da prevenção de lesões... isto em minha opiniâo como é lógico!
saudações desportivas

p.s.: vou deixar de ser anónimo só para não confundirem com o outro anónimo que tb participa

sexta-feira, abril 14, 2006 2:40:00 da manhã  
Anonymous teamleader said...

muitas ideias pairam aqui8, sobre metodologia e periodização de treino. Ind bem pois é pela discussão que nasce a clareza dos conceitos. Continuo a defender que ainda falta muita informação/discussão no seio dos técnicos, bem como um factor que é fundamentalpara eles: aprendizagem com a prática, com os erros, com as dificuldades; aí é que se aprende. Errar não é problema; problema é errar e não aprender com o erro.
Kt à discussão da fase pubertári (até INF),não entendo ser necessário treino láctco nenhum,ou quase nenhum; o k precisam nessas alturas é de técnica,técnica, técnica (skills, coordenativos, drills, etc), treino aeróbio diversificado, velocidade e não passarem mts horas na piscina (água); eles tem tempo pa se atirarem a sério ao treino mais tarde se demonstrarem capacidades e talento e aí ou investem por eles próprios (motivação intrínseca) ou abrandam o treino e reorientam o seu caminho.
Treino físico, deve ser geral, sem grandes cargas e mt diversificado; há tanto material a improvisar e tantos locais k não se deve por os nadadores, durante 1, 5 ou 10 anos sempre no mesmo local e com os mesmos aparelhos.
O treino láctico meus meninos, tem tempo, deixem-nos crescer e ver que distancias serão as ideais pa seu futuro e aí então vamos ao trabalho a sério.

sexta-feira, abril 14, 2006 3:47:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Ora aqui está um comentário abalizado.

Um dia este blog ainda vai organizar uma conferência c estes "anónimos", "orgulhosamente anónimos", "team-leaders", "Kritz" e afins.

Será patrocinada pela FPN e desenrolar-se-á em Macau.

sexta-feira, abril 14, 2006 4:21:00 da tarde  
Anonymous lampiao said...

Pk macau? n pode ser em lx,ou funxal ou coimbra po ex,ou em angola ou mocambike,ou timor já gora ó DM;
Mas há mais Fritz, leaderteams, por aí certamente não?

sexta-feira, abril 14, 2006 5:42:00 da tarde  
Anonymous teamleader said...

Ei DM;
A RAM é ke podia patrocinar não?Com piscinas novas, técnicos novos (tugas e estranjas), mt guita paí, só faltam mesmo é talentos novos não?

sexta-feira, abril 14, 2006 5:46:00 da tarde  
Anonymous humildemente anónimo said...

Pronto, creio que já chegámos a algum consenso! Como é óbvio terá que se observar todos os aspectos associados ás limitações de cada atleta e clube! Mas já repararam na frequência de braçada de certos miúdos em cadetes e infantis?! e muitos deles com uma técnica muito aquém do desejável?? Nem defendo que estas crianças sejam colocadas numa vitrine para que n sejam demasiado 'estimulados' como diz o Sr orgulhoso, mas que secalhar pode-se por vezes esquecer os limites q se podem atingir num atleta destes, e apostando numa maior diversificação das capacidades coordenativas e não até onde poderei solicitar certos tipos de esforços! Esta modalidade, exige uma grande dedicação em todos os aspectos, n só dos atletas, e prefiro tê-los motivados (realizando os tacs p as competições) do q chegar ao final do ano e saber que realizei o meu trabalho à risca e com muito rigor! Porque p além da saturação dos atletas (q n provém só da estimulação q lhes damos) existe a saturação dos pais, q essa em minha opinião é bem mais grave! e claro, tb tenho atletas q se destacam nesta idade, (mas isto são exepções!ou não?!). Muitas vezes ou são atletas talentosos ou que dão um salto pubertário precoce! o problema é q se vêm por aí muitas pseudo-exepções...!
Quantos Monteiros nós temos?? quantos vitais nós temos com quase 1'90m aos 14 anos e q possivelemente chegará ou passará os 2,00m? e n falo de exepções pq aguentaram esses certos estímulos, mas pq esse trabalho foi bem realizado! E voltando um pouquinho atrás acredito q será bem melhor você nestas idades realizar um trabalho exclusivamente aeróbio e técnico do que estar à espera da data exacta p os estimular!(e n estou a NENHUMA EXCLUSIVIDADE, OK?!) e não é por 6 meses ou 1 ano de estimulação q esse mesmo atleta irá ficar prejucicado quando chegar a sénior!

sexta-feira, abril 14, 2006 6:07:00 da tarde  
Anonymous Kriz said...

O sr humildemente anonimo lançou outra questão mt pertinente... a motivacao dos atletas....
Será que vale a pena separar os nacionais de infantis dos de juvenis, se os tacs continuam a ser "mt puxados"? Não seria mais util e mais proveitoso abrir um pouco os tacs de forma a ter mais que os 200 atletas que tem obtido minimos. É que no meio daqueles q n conseguem e que desmotivam, existem decerto alguns que poderiam vir a ser bons nadadores(sobretd os que têm a maturacao mais tardia....)
Sem dúvida que faz parte do trabalho do treinador conseguir motivar eses atletas apesar das contrariedades, mas por certo que pequenas medidas como esta ajudarão ao desenvolvimento da natacao portuguesa.

sexta-feira, abril 14, 2006 6:40:00 da tarde  
Anonymous kriz said...

Ja agora SR. "humildemente anonimo" se fosse possivel poderia fornecer-me a tal referencia? Fiquei curioso-....

sexta-feira, abril 14, 2006 6:43:00 da tarde  
Anonymous Humildemente anónimo said...

N irei referir nomes de atletas nem querer difamar outros clubes pois creio q isso compete a cada um interiorizar o seu trabalho e verificar se o mesmo será ou não o mais correcto e se será o mais vantajoso simplesmente a longo prazo! Apenas vejo as coisas c alguma preocupação, e já que todos lutamos p o desenvolvimento da modalidade pq não ajudarmo-nos trocando algumas ideias importantes? tal como o Duarte Mendonça, creio que a 1ª coisa q faço quando vejo um tempo expressivo é reparar na sigla do clube, e depois quando tenho oportunidade então faço uma análise da técnica desse mesmo nadador! Pois já todos sabemos quais são os clubes que 'puxam' mais pelos seus nadadores nas camadas mais jovens! quanto aos mínimos dos nacionais de Verão concordo c a sua opinião e acho q esta competição se deveria alargar por mais dias de maneira q se conseguisse incluir mais nadadores q poderiam sentir-se mais motivados c a mesma inclusão! mas quem já foi nadador sabe da dificuladade que era p oraganizar 400 e 500 infantis numa piscina como há uns anos!!!
N sei se respondi à referência a q me quiz perguntar, mas pronto!
Continuações de um bom trabalho para todos!

sexta-feira, abril 14, 2006 9:16:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Pois, esta questão de facilitar os TAC's é sempre um "pau de 2 bicos"..

Já fui apologista, mas confesso q o tempo foi-me fazendo mudar de opinião.

O percurso nesta modalidade é selectivo por natureza. Não é para todos, e quanto mais tarde (mais idade), mais elitista se torna.

Portanto, mesmo q quisermos atrasar este processo de peneirar pela performance, ele tem de surgir mais cedo ou mais tarde. Se vamos facilitar os TAC's p infantis, a diferença e o salto p os TAC's juvenis será maior e mais exigente. Se facilitarmos tb. os juvenis, o fosso p os mínimos juniores será abissal.

Portanto tem de existir aqui um equilíbrio. Confesso q às vezes vejo alguns TAC's bastante exigentes, e até atletas c potencial em dificuldades p garantir mínimos de acesso. Mas acho saudável q passem por dificuldades, q lutem pra atingir isso, q aprendam e sintam a frustração de falhar uns Nacionais.

Se desmotivam com isso e vão embora da modalidade, então é pq não teriam nunca perfil pra lutar por objectivos superiores numa modalidade tão difícil quanto esta.

Cabe também aos treinadores dar a perceber q a presença nos Nacionais não é a única forma de realização na modalidade.

Sobretudo nestes Nacionais da FPN q temos visto ultimamente, sem ambiente, sem chama, sem emoção, e até sem a presença dos melhores nadadores nacionais. Na verdade, tenho dificuldade em perceber como pode achar um miúdo uma competição destas interessante, com toda a gente de braços cruzados a bocejar.

Já parece a velhinha do anúncio do supermercado, mas eu ainda sou do tempo em q os Nacionais eram uma festa, vibração, rivalidade, disputa e entusiasmo. Os melhores eram as referências, as principais equipas comiam-se vivas, o público vibrava.

O melhor q temos agora é a senhora do "Emanuuuuuuuel, meu queeeerido". Fora isso é zero.

Se calhar, a falta de motivação dos miúdos vem mais daí (questões organizacionais das competições e dos quadros competitivos, e vamos outra vez bater no ceguinho) do q de outro lado.

Cump. e mantenham o nível elevado da discussão.

sexta-feira, abril 14, 2006 11:55:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Teamleader:

Quanto à Madeira patrocinar o encontro das personagens virtuais do B.A., estou aberto à possibilidade.

De facto, piscinas novas e guita em excesso não falta.

Técnicos novos já não concordo. Há quase 20 anos q são sp os mesmos. O tacho é bom demais pra largarem o osso:destacamentos a tempo inteiro aos pontapés, duplos-ordenados, e nenhuma exigência nem controle, nem mesmo qd os resultados são zero. E qd o largam (idade da reforma), é como as dinastias: ficam pros filhos, qual negócio de família.

Por isso seria bem vindo o encontro da Madeira. Mas receio q isso fosse envolver a ANM e a FPN, e aí teriam de vir uma carrada de dirigentes p as comemorações, como é habitual.

O que ia onerar bastante a louvável iniciativa.

sábado, abril 15, 2006 12:04:00 da manhã  
Anonymous Kriz said...

Infelizmente concordo com a descrição dos nacionais que o Sr MEndonça faz está bastante correcta. O único pico de entusiasmo durante a época são mesmo os NAcionais de Clubes,que apesar estar cheio de "nadadores de 3 meses"acaba por ser competicao mais vibrante do ano!
Concordo que os jovens nadadores devem ter noção que a natacao n é um desporto fácil e que para alguns é necessaria a aplicacao máxima para se atingirem os nacionais, no entanto, talvez a abertura dos nacionais pudesse ajudar a manter alguns valores do meio da tabela que tornam algumas equipas numerosas e que sem dúvida tornam mais dignas as competições.

Considero que se perdem alguns jovens que por terem maturacao atrasada não conseguem fazer minimos e que poderiam ser grds valores(esta provado que jovens com maturacao mais tardia tem maior sucesso desportivo e maiores valores antropometricos), mas tb se perdem os tais nadadores medios/bons que ajudam a desenvolver a natacao.
Apesar de ser um desporto individual a natacao vive mt da equipa, do espirito que se cria a nível de treino e competicao e o aproveitamnete destes nadadores faz com que os melhores tambem se motivem e que lutem pela equipa, que como se sabe traz a dose de superacao que mtas vezes é necessaria....
Em termos organizacionais considero que o modelo empregue para os infantis é o correcto, porque a realizacao dos zonais permite a tal generalizacao, tendo uma competicao importante em pisc de 25 e outra de50! O problema são os juvenis, a única categoria que não compete em piscina de 25......talvez seja uma questão a considerar!

sábado, abril 15, 2006 12:36:00 da manhã  
Anonymous kriz said...

Sr.Humildemente anonimo, a referencia que falava era a do artigo de 2001 que referiu sobre a capacidade que as crianças possuem na produção e consequente remoção de lactato.Obrigada

sábado, abril 15, 2006 12:40:00 da manhã  
Anonymous contazulejos said...

Boa!
Este tema é de grande importância, e penso que a metedologia de treino para escalões de cadetes e infantis foi aqui debatida num sentido muito positivo.
Mas será que podemos aprofundar ainda mais e sair um pouco do treino propriamente dito?..abordando ainda temas aqui deixados no ar em post's anteriores e relacionados com a motivação, com os tac's etc...
Pois bem, a FPN tem algumas iniciativas optimas, estou-me a referir aos encontros do jovem nadador, aos encontros de mini-polo, aos combis etc...pq não aproveitar estes modelos (adaptando os conteudos claro) e fazer grande parte das provas de cadetes com este modelo? Um pouco como os colegas do andebol fazem? Não seria mais motivador para os muidos que não querem é estar quietos? e para os pais dos mesmo? é que não me parece nada complicado fazer isso...
Em relacção aos tac's...pq não continuar com campeonatos zonais mesmo em Juniores (com outro nome...ou não)? Teriamos um campeonato zonal para todos os escalões (e até séniores pq não...)e um campeonato Nacional, quem tiver minimos para o Nacional, vai la, e quem não tiver, vai ao zonal...não estou a inventar nada, tudo isso acontece noutros países.

sábado, abril 15, 2006 10:38:00 da manhã  
Anonymous Humildemente Anónimo said...

heyyyy!!!! Quem referiu esse artigo foi o Sr orgulhoso, não eu! Não me confundam páááá!!! Mas já agora, tb gostaria de dar uma 'vista de olhos' nesse tal artigo!
Quanto aos TACS, é óbvio que a abordagem q se deverá ter c os nossos atletas pela n obtenção do mesmo, será que terá tempo p o realizar e até focar alguns pontos q correram mal construtivamente! Mas continuo a achar q há tempos muito exigentes, estou a lembrar-me por exemplo do tempo dos 100L M inf. B. p os nac. de verão(1'03''63 - p. curta !!!). Estamos a falar de miúdos q no ano anterior eram Cadetes! Mas eu sei q agora se possa levantar uma polémica de q se n fôr assim, qual será o mérito de participar nestes campeonatos! mas creio q os mínimos a Costas e Bruços são substancialmente mais fáceis que nas outras provas!
Quanto ao q o Duarte disse referente ao ânimo q se via e se vê nas provas de hoje em dia talvez a minha opinião é q muitos papás hoje em dia quando vão assistir ás provas dos seus filhos possam pensar em parte q o fim-de-semana está estragado! Uiiiii, eu sei q isto já é uma visão um pouco catastrófica, mas n a excluo de todo! Mas esse clima poderá ser criada por nós! Ao convocarmos um miúdo p as provas convocamos os pais c a participação activa na bancada! Saudações

sábado, abril 15, 2006 3:02:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

lactate-Sweat relationships in youger and middle aged men, journal of aging and physical activity, 9(1), 2001

domingo, abril 16, 2006 7:45:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

O Luis Monteiro e já agora a Keissy Sousa foram treinados por Teresa Figueiras enquanto infantis e não pelo Sardinha,fica aqui a correcção.

domingo, abril 16, 2006 7:48:00 da tarde  
Anonymous Kriz said...

obrigada pela referencia!

domingo, abril 16, 2006 8:32:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Agradece-se a oportuna e justa correcção do anónimo qt à treinadora de infantis do FCP.

A Kriz, qual rato de bibloteca, vai já investigar o artigo, talvez útil os seus próximos desafios académicos (força!). Resuma-nos depois as principais conclusões, s.f.f.

Contazulejos: Camp. Zonal de td as categorias parece-me impraticável (custos de deslocação/alojamento, gestão de calendário, etc.) Qd mto fazer como este ano nos Reg. Coimbra, juntando 3 Associações q sejam mais fracas, pra tornar os Regionais mais competitivos e equilibrados.

Humilmt anónimo: 1.03.6 pode ser exagerado (e concordo c este exemplo, se assim for), mas no ano passado eram cadetes c a idade q eu fui infantil, não esquecer q a idade se mantém, o nome da categoria é q mudou.

Qt à participação activa dos pais na bancada, há por aí mto treinador q deseja exactamt o contrário: q os pais dêem espaço/descanso e não chateiem/não interfiram. É que há pais e pais:)

segunda-feira, abril 17, 2006 12:03:00 da manhã  
Anonymous contazulejos said...

D.M,
Não me parece assim tão impraticavel, qt a proposta de juntar associações para os regionais, para mim está fora de questão, a ideia seria mesmo ter um nível intermédio entre o regional e o nacional.

segunda-feira, abril 17, 2006 9:25:00 da manhã  
Anonymous DM said...

Conheço mto Clube q conta tostões pra poder estar nuns Nacionais (tu de certeza q tb. conheces), agora junta-lhe mais uns Zonais de Infantis, Juvenis, Jun/Sen,. etc.

Mas as Associações, q não vivem uma situação mto desafogada, organizar + provas zonais antes de Nacionais.

Mais o calendário, cada vez mais preenchido. Como encaixavas os zonais? Antecipavas os Regionais? Ou os Regionais deixavam de existir?

segunda-feira, abril 17, 2006 2:46:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Deixem-se de tretas patetinhas!
Ta mt bem assim!
Competições gradativas ao longo do ano pa INF e JUV tem o seu momento noINV e no VER (de manha) compossibilidade de tarde irem ainda às finais;
Os tac´s este ano foram ainda ligeirament facilitados. K kerem agora? As provas n foram demasiado longas,pelo contrario e tiveram mt malta a nadar; talvez a rever modelo do OPEN (aí sim) e do CNC pk ser em curta e naoem longa em MAIO

segunda-feira, abril 17, 2006 3:46:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

kriz, fico contente pelo teu interesse neste assunto, tenta ler o artigo completo, caso estejas com alguma dificuldade em o encontrar, uma vez que esta revista é pouco consultada em portugal, tenta esta que vem no seguimento do estudo de 2001, e que com certeza é de bem mais fácil consulta:

Med Sci Sports Exerc. 2005 Sep;37(9):1641

Recovery during high-intensity intermittent anaerobic exercise in boys, teens, and men.

Zafeiridis A, Dalamitros A, Dipla K, Manou V, Galanis N, Kellis S.

se te puder ser útil em mais alguma coisa, diz, terei todo o gosto em ajudar a esclarecer esta questão.

saudações desportivas

segunda-feira, abril 17, 2006 5:42:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Ui, lá vamos nós outra vez pra eterna discussão do Camp. Clubes em longa e em Maio...

Se há coisas q me tiram do sério, esta é uma delas. É que nem c o modelo experimentado se a malta nota as vantagens!

Querem transformar a única competição q ainda tem emotividade, espectacularidade, projecção e boa acessibilidade a todos em mais uns Campeonatos Nacionais do bocejo, iguais aos outros?

Aqui vão, de novo, alguns argumentos:

PARA SER EM CURTA:

- Justiça: tá ao alcance de todos a igualdade de circunstâncias de treino/preparação, coisa q n acontece em longa. E a justiça é um aspecto importante neste tipo de campeonatos colectivos.
- Espectacularidade: muito maior, pq maior equilíbrio entre atletas/equipas, q é o q se pretende de 1 camp. colectivo, emotivo e disputado. A própria aglomeração em volta da piscina curta traz um ambiente completamt diferente dos monstros de betão de 50 metros.
- Reabilitação de atletas/ex-atletas: possível em curta, pouco provável em longa. Há quem ache que apresentar atletas ou ex-atletas a nadar distâncias curtas e a elevar o nível da competição é um ultaje à mesma. Eu acho mto interessante, por todos os motivos e mais alguns, que ultrapassam em mto o aspecto exclusivamt. desportivo
- Possibilita junção à 3ª e 4ª divisão, lógica de calendário, facilidade logística p as equipas, comunhão de planeamento, etc. Coisa q longa nunca possibilitou, andava tudo perdido c equipas femininas num lado, masculinas no outro, uns em Janeiro em curta, outro em Maio em longa, etc.

PARA SER EM DEZEMBRO:

- Colar ao 1º pico de forma da época (Europeus de Curta/Nacionais). Em Maio é inventar mais um onde ele não existe.
- Motivar os menos dedicados p a fase mais intensa e importante da da época, o seu início.
- Arrumar mais cedo na época os compromissos colectivos, pra q se possam centrar depois nos individuais. Andar em Maio a tentar servir a equipa e a cumprir os obj. individuais ao mm tempo cria sempre algum conflito de interesses.
- Mais não fosse, enquadrar o espírito de grupo no ambiente natalício, motivando para a partilha de esforços em torno de um interesse comum. Aproveitar as férias escolares e tudo o que não existe em Maio pra reforçar os ganhos colectivos da competição.

Chega ou quer mais? Posso continuar...

terça-feira, abril 18, 2006 12:57:00 da manhã  
Anonymous contazulejos said...

Caro Mendonça...
Ok, apanhaste-me mal preparado para este debate, mas prometo apresentar aqui, ainda este mês, uma proposta para a tal prova de nível intermedio entre o regional e o nacional...

terça-feira, abril 18, 2006 12:35:00 da tarde  
Anonymous Duarte Mendonça said...

Cá ficamos à espera. Nós e o DTN. Vamos ver o que sai daí.

quarta-feira, abril 19, 2006 12:03:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Atletas Seniores do top five nacional na ANDL... Onde estão??? e os Juniores ??? que caminho tão a ter???

quarta-feira, maio 17, 2006 11:27:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home